• Carol Ribeiro

Serra do Cipó

Atualizado: 24 de Ago de 2019

Localizada à pouco mais de 100 km de Belo Horizonte, a Serra do Cipó abriga maravilhas da natureza em um ambiente tranquilo, de belas paisagens, boa comida e pessoas agradáveis.


Natureza exuberante e lindas cachoeiras, a região da Serra do cipó conta com uma área urbana de aproximadamente 5 km de extensão e muitas opções de hospedagem e alimentação para todos os gostos e estilos. Entre pousadas, hotéis, chalés e áreas de camping, a Serra do Cipó possui uma das floras mais diversificadas do mundo.

No mapa, o trecho marcado em cinza representa a área urbana. Pertencente ao distrito de Santana do Riacho, o comércio local da Serra se encontra na própria MG-10. Ela é a única via asfaltada e conta com muitos restaurantes e bares, farmácia, supermercado, padaria e lojas de artesanato (insira seu suspiro de alegria aqui). As ruas paralelas são de terra batida e abrigam boa parte das pousadas e chalés.


Ficamos na Pousada Brisas da Serra que fica bem localizada, paralela à rua principal, próximo ao comércio local e tudo estava muito bem cuidado, limpo e recebemos um ótimo atendimento.


Logo na chegada, visitei a loja RELICÁRIO e já recebi muitas dicas bacanas sobre os bons lugares para comer e passear. Agradeço à Jaci, super simpática, atenciosa e nos ajudou muito... O que mais me encanta nos lugares que conheço são as pessoas; você pode ir à regiões maravilhosas, se não for bem recebido e acolhido, com certeza não será um bom passeio! O que faz a diferença são AS PESSOAS!



Atenção à um detalhe, não tem caixas eletrônicos, portanto, é bom se precaver para pequenos gastos ou para o caso do cartão de crédito não passar por problemas técnicos. Por falar nisso, o sinal de celular é bem fraco. A Oi praticamente não teve sinal nenhum e a operadora que tem sinal um pouco melhor é a VIVO.


Ainda nas andanças pelo comércio, vimos uma mega costela na brasa e quando mandei fotos pelo whatsapp alguns acharam que era de mentira...

Na Serra existe a lenda do Juquinha que rendeu uma estátua na "vila" e outra no mirante (fiquei devendo pra próxima viagem). Dizem que foi um morador da região que ofertava flores aos turistas em troca de roupa ou comida. Morreu pela última vez em 1983, isso mesmo!!! Ele sofria de catalepsia e por isso, teve uma primeira morte, da qual simplesmente levantou do caixão e assustou a todos! Por essa e outras histórias, ele se transformou em lenda e símbolo da região. Você vai encontrar muitos souvenir's e lembrancinhas com a imagem dele.

A região conta com muitas cachoeiras. Optamos pela SERRA MORENA, também por indicação de um morador local - o vendedor de água de coco - outra pessoa boa de papo, que nos deu várias informações legais (só fiquei devendo citar seu nome aqui).


Partimos pela MG-10 e depois de quase meia hora de carro, chegamos à entrada principal (todas as cachoeiras ficam em área fechada e tem entrada paga). Pagamos no dia R$ 30,00 por pessoa - valores de Janeiro/2018.


Fomos primeiro na cachoeira Serra Morena II que tem acesso mais difícil, uma subida íngreme e um pouquinho puxada, com muitas pedras. Esse caminho que aparece ao fundo é a trilha - bem demarcada. Em média 15 minutos de caminhada para chegar à bifurcação que leva às duas cachoeiras.





A cachoeira Serra Morena II é maravilhosa, mas fiquei só com a vista mesmo. Se a subida até ali foi difícil, a descida até ela parecia ainda pior. Preferi não arriscar e depois de algumas fotos, fomos para a Serra Morena I que é mais tranquila e com acesso mais fácil.


Serra Morena I: entrada suave pelas laterais, com partes rasas (como eu gosto), espaço para quem gosta de nadar e peixinhos dividindo essa maravilha da natureza com os turistas. Eles mal se mexem quando entramos na água e permanecem junto à margem sem se incomodar com a presença humana. A água é muito limpa, cristalina, simplesmente maravilhosa!



No retorno, uma parada no mirante para apreciar as lindas montanhas... Depois desse passeio e de tanta andança, uma pausa para o almoço. No caminho de volta paramos numa casa de casa que virou restaurante. Não vou fazer falsa propaganda, estou aqui pra falar a verdade, então vou ser sincera! A propaganda do lugar foi muito boa, mas a comida deixou a desejar. Mais caro do que na vila da serra e não tão saborosa (estava tudo muito salgado) e ainda te cobram um percentual adicional se quiser pagar com cartão de crédito. Vou deixar a foto do lugar, mas não recomendo!

E como estamos falando de comida e eu já falei onde NÃO gostei de comer, vou falar agora, onde eu gostei... Restaurante do Marquinho: bom atendimento, preço justo, comida boa, cerveja gelada. Fica na avenida, próximo do comércio local. Vou deixar a foto também:

Outro lugar bacana é a Aldeia Cipó (foto abaixo) que na verdade é uma galeria com praça de alimentação e algumas lojinhas de presentes e decoração. Enorme variedade de comida: restaurantes, hamburgueria, pizzaria, açaí e barzinho com música ao vivo; uma variedade enorme nos cardápios. A pizza da Pizzaria Margherita é maravilhosa e esse quiosque da esquerda tem um cardápio bem variado de Açaí. Prove o açaí com gengibre ou açaí com hortelã, simplesmente perfeitos!

Para fechar o fim de semana com chave de ouro, não tinha como ser melhor : NOITE DE RÉVEILLON!!! Muitos restaurantes funcionaram, alguns com reserva de mesa e preços bem puxados, mesmo para um open food. Optamos por algo mais simples e fomos para o Dente de Leão. Estava cheio, animado, um clima gostoso, gente bonita e atendimento bom!


Pra não perder o costume, vamos ao videozinho de melhores momentos!!! A Serra do Cipó ainda abriga muita coisa legal, foi pouco tempo para aproveitar tanta beleza. Digo e repito que quero muito voltar e explorar mais esse cantinho abençoado por Deus e bonito por natureza. Espero que tenham gostado da dica e se tiver oportunidade, não deixem de ir!!!


0 visualização