• Carol Ribeiro

Pier de Iemanjá - Vitória

Em Vitória tem um cantinho gostos pra passear numa tarde. O Pier de Iemanjá está localizado na parte continental de Vitória, na praia de Camburi, o espaço foi criado para atenuar problemas de erosão decorrentes das atividades no Porto de Tubarão.


O dia que visitei estava super nublado (se eu já amei sem sol, imagina num dia lindo). Mesmo com as fotos não tão boas, não podia deixar de mostrar esse lugar que achamos bem por acaso e foi uma surpresa incrível.

A estátua tem uma história interessante: na época da sua inauguração, a igreja católica foi contra. Houve muita polêmica em torno do assunto, a discussão rendeu, tentaram impedir a inauguração, foi um tumulto só. A estátua ficou pronta no final de 1987, mas o prefeito da época decidiu realizar a inauguração oficial da imagem, no dia de Iemanjá - 02 de fevereiro de 1988.


Com uma história assim, este lugar pode ser visto como um símbolo de liberdade religiosa, um local que resistiu à intolerância e o preconceito; mostrando que é possível e preciso respeitar todas as crenças e culturas.


O pier é um lugar lindo, além dos turistas, tem vários frequentadores assíduos, de conversa boa, riso fácil e histórias interessantes. Conheci um autor de livro, pescadores com muitas histórias e uma ave que também bate ponto ali todo dia.


É uma pena que o lugar não esteja preservado como deveria, tem muita pixação. Mesmo assim, é um lugar agradável, muita gente fazendo caminhada, pescando, ou só relaxando nos bancos e até no chão mesmo. De tudo que eu vi, a maior paixão foi por essa garça negra super dócil e linda!!!!


Ela acompanha de perto a pescaria do pessoal, não é arisca e pega petiscos na mão. Já faz parte da equipe de pesca e tem mais intimidade com um dos pescadores (porque ele divide suas iscas com ela). Embora seja simpática com todos, ela tem uma afinidade especial com ele, é uma gracinha ver como ela o acompanha e quando ele muda de posição ou faz qualquer movimento ela fica sempre de olho.

Nesse trecho, tartaruga é mato. O tempo todo você vê as bichinhas subindo pra respirar (só quanto a gente ta querendo filmar ou fotografar as danadas somem). Os pescadores estão até meio chateados, porque a reprodução delas está tão acelerada que estão consumindo todos os peixes e não sobra quase nada pra pesca. Independente disso, é lindo observar as danadinhas apontando na água!

Ao fundo do pier tem uma pequena ilha. Fiquei super curiosa para saber se alguém habitava ali e como seria a vida naquele lugar. Passei um bom tempo admirando a paisagem e imaginando mil situações.


Ao chegar em casa, resolvi pesquisar e descobri uma reportagem do ano 2010, contando o seguinte:


Naquela ilha mora uma família. Dona Vera, dois filhos, dois netos, vários cachorros, galinhas, patos e, embora seja tudo muito simples e não tenha sequer energia elétrica ou água encanada, na casa não falta alegria. Confira a matéria AQUI.

É nessas horas que percebemos como precisamos de pouco para viver e complicamos tanto a vida. Essa família vive com tão pouco e conta apenas com uma canoa para obter seus suprimentos.


Como a reportagem é antiga, fiquei pensando se todos ainda moram lá. Se Dona Vera está bem e como deve ser viver assim nos dias de hoje. Espero que estejam todos bem e felizes!


E o que já é bom, ainda pode melhorar: existe um projeto para construção de uma Marina Pública que vai enriquecer a orla marítima e promover a geração de empregos diretos e indiretos.


Se for à Vitória, vale a pena dar um pulo no Pier de Iemanjá; passar uma tarde gostosa, observar a natureza, fazer amigos, jogar conversa fora e repor as energias.


0 visualização