• Carol Ribeiro

O mundo ta ficando chato por falta de sinceridade

Atualizado: 17 de Mai de 2019


Já dizia Oscar Wilde: pouca sinceridade é uma coisa perigosa e muita sinceridade é absolutamente fatal. Concordo plenamente, mas nem por isso consigo ser diferente do que sou. Se não está preparado para ouvir algo sincero, melhor nem me perguntar nada! Sou dessas...


Sinceridade é um tema sempre polêmico; não existe meio termo. Tem a galera que acha melhor não se indispor, ser cordial e dar as respostas educadas (mesmo que falsas) para manter um bom relacionamento e tem o time que prefere dizer o que pensa, mesmo que isso não agrade a todo mundo. Eu, definitivamente, estou no segundo grupo. Já fui taxada de grossa e cruel e, honestamente, isso não me incomoda.


É comum quando as pessoas expressam uma opinião negativa, ouvirem coisas do tipo "eu não perguntei a sua opinião", mas sejamos práticos: se existe um diálogo, é natural que as pessoas expressem suas opiniões mesmo que não sejam formalmente questionadas a respeito - isso é fato, o contrário disso não é diálogo e sim monólogo.

Pois bem, então guarde isso: enquanto você estiver cercado de pessoas que só te fazem elogios e nunca apontam um defeito, cuidado!!! Toda bajulação tem um preço e como estamos longe da perfeição, é bom ouvir algumas críticas de vez em quando para cair na real.


Mário Sérgio Cortella disse algo extraordinário: "cuidado com gente que concorda contigo o tempo todo; ou não gosta de você, ou não te respeita ou está se preparando pra te derrubar. Gente que gosta de você discorda quando é necessário." Esse trecho de palestra, para mim, é simplesmente fantástico e sugiro você tirar um tempo e ver AQUI, são só 7 minutinhos...


Se você leu até aqui e já está me achando um poço de insensibilidade, saiba que já recebi muitos elogios (muitos mesmo) por essa mesma sinceridade, que diversas vezes salvou amigos de passar vergonha, tomar uma decisão precipitada, evitou que alguém fizesse um papel ridículo ou provocou um bom choque de realidade - tem muita gente que precisa dessa última.

Claro que sincericídio é diferente de sinceridade, mas agora me diz:

  • Onde fica a linha que separa os dois?

  • Quantas pessoas estão preparadas para ouvir a verdade, ainda que seja cuidadosamente pronunciada, se ela for desfavorável a quem ouve?

  • Porque as pessoas perguntam as coisas se, na verdade, a maioria só quer uma massagem no ego e só busca elogios (ainda que falsos)?

A maioria das pessoas é programada para ver a sinceridade como algo grosseiro; eu penso que depende da forma como é dita, mas também depende do nível de emotividade da pessoa. Nossa, como tem gente dramática nesse mundo! Ainda bem que ainda existem muitas pessoas práticas e realistas para equilibrar essa balança.


E ainda vai ter gente a dizer: ah, mas precisa falar com jeitinho. Cara, nem todo mundo entende a mensagem se você ficar dando mil voltas e floreando a situação. Diga a verdade, com educação e demonstrando o que pensa com respeito, mas DIGA: diga que a roupa está muito feia e que ela pode conseguir algo melhor; diga que ela não deveria ter falado aquilo e que você não achou legal; diga que você está de saco cheio da pessoas que vive falando mal da coleguinha mas também vive andando junto com ela; diga que você não vai sair porque não está num bom dia e pronto (sem desculpas). Se precisa falar, fala logo e para de enrolar. É como tirar um curativo, quanto mais você demorar, mais vai doer; então arranca logo de uma vez.

Resumindo: prefiro levar uma surra de sinceridade do que um abraço de falsidade. Se você é da turma que prefere não se posicionar, não se engane: em alguns casos, a omissão tem o mesmo grau de falsidade do que a mentira.


Se depois de tudo isso, você ainda não sabe como agir, quando te fizerem uma pergunta, indague de volta: "você prefere a resposta cordial ou a sincera?" Afinal, ainda existe (muita) gente que prefere ser enganado, porém bajulado - entretanto, pergunte e dê essa escolha a eles. Já eu, prefiro a verdade, sempre!

45 visualizações