quarta-feira, 18 de abril de 2018

Uruguai - Chegando à Montevideo + Ciudad Vieja

Como já citei no post anterior, para chegar à capital do Uruguai, você tem várias companhias aéreas para escolher. Entretanto, nosso estilo aventureiro nos fez optar por uma rota alternativa, divertida e arrojada.

Pegamos um vôo até Porto Alegre e de lá seguimos de carro até Montevideo, conhecendo os vilarejos e as redondezas (sem pressa, sem stress e sem compromisso). 

Tenho amigos que preferem o conforto e a comodidade de um pacote de viagem, um bom hotel e um roteiro programado; isso para algumas coisas é sinônimo de tranquilidade, para mim é um tormento. Já basta um ano cheio de compromissos com hora marcada, pressão e correria - no trabalho e na vida. Quando chegam as férias, quero LIBERDADE, quero acordar sem pressa e sem compromisso; escolher onde ficar e se estiver ruim, levantar acampamento e procurar outro rumo. Os pacotes de viagem não exigem que você planeje nada (porque já vem tudo pronto) mas em contrapartida, tem dão hora certa para levantar, sair e voltar - não gosto. Pronto, falei!!!

Voltando ao foco: descemos de Porto Alegre para Montevideo de carro e isso nos permitiu - dos dias 15 a 22 de março, conhecer - além da capital - lugares incríveis como Pelotas, Rio Branco, Jaguarão, Piriápolis, Maldonado, Colônia de Sacramento, Punta del Este, Punta del Diablo e Chuí.

(Fonte de imagem: Google)

Ao longo do Diário de viagem, falaremos um pouco sobre cada lugar. Se optássemos pela viagem de avião direto a Montevideo, não conheceríamos metade de tudo que visitamos.

No capítulo de hoje, vamos falar sobre a Ciudad Vieja (ou Cidade Velha) que é o centro histórico de Montevideo - onde ficamos hospedados e onde se concentra boa parte dos pontos turísticos da cidade.

Ficamos hospedados na Plaza Independencia, no limite entre a cidade velha e a área central, ou cidade nova. Bem ao lado do Palácio Salvo. Não tive oportunidade de fazer a visita guiada, mas dizem que é bem interessante. O problema é que como eu era vizinha ao prédio, fiquei deixando pra depois, depois, depois... A viagem acabou e ficou para a próxima!


O Palácio Salvo já foi o edifício mais alto da América do Sul. Sua história é muito interessante e a arquitetura é maravilhosa. Como só vi o exterior, não vou me estender no assunto, mas fiquei com vontade de conhecer o interior da construção. Apesar de não ter feito a visita, eu tomava café da manhã todos os dias admirando esse galã de Montevideo.

OBS: Uma quadra atrás da praça existe um Cassino. Para quem nunca entrou em um, vale a pena conhecer!


Saindo na direção da Puerta de la Ciudadela fica o Mercado del Puerto - a uns nove quarteirões da Praça num trajeto muito gostoso. O caminho é uma descida suave com arquitetura linda, muitas lojas, barracas de feirantes com todo tipo de lembranças, presentes e artigos diversos como echarpes, chapéus, chaveiros, imãs, enfeites, porcelanas, etc.

Nesse caminho até o Mercado, já dá para conhecer a Plaza Constituicion, a Igreja Matriz e você ainda pode escolher algum dos vários museus pelo caminho.


Na Plaza Constituición (em frente à Igreja Matriz) tem uma feira de artigos variadas e uma linda fonte, que nos dias ensolarados fica ótima para tirar fotos. 

(Fonte de imagem: Wikimedia)


A igreja matriz é linda e não consegui captar a beleza por fotos - elas servem apenas para ter uma noção. Vale a pena dar uma passada lá, conhecer o interior e depois sentar na praça para tomar um café ou sorvete (o sorvete vendido no quiosque é maravilhoso).

Fonte de Imagem: Café Viagem



Da Plaza Independencia até o Mercado del Puerto é só ladeira abaixo. Uma descida suave, com muita coisa para ver no caminho. O trajeto é feito por um tipo de calçadão e a maior parte dele, tem acesso gratuito de Wi Fi.


No caminho, encontre essa loja - KHAZANA. Lá tem muitas kaftas, batas, lenços e peças lindas em tricô. Quando eu gosto, eu posto!!!




O Mercado é bem rústico e tem restaurantes internos e externos. São opções variadas de cardápio e praticamente todo turista chega querendo experimentar a Parrillada. Fique atento aos cortes de carne que compõem o prato, alguns são típicos para o gosto dos uruguaios, mas não fazem sucesso entre os brasileiros. Procure por restaurantes que ofereçam mais de uma opção na combinação das carnes ou então você pode optar por escolher o corte que vai comer pelos preços individuais (quase sempre sai mais barato).



Preços do cardápio em pesos uruguaios. Para converter, basta dividir o valor do prato pela cotação. Durante a nossa viagem, a melhor cotação foi R$ 8,50 na casa BACACAY, que fica na Av. 18 de Julio, bem perto da Plaza Independencia. A picanha por exemplo, custava 680 pesos - ou seja, algo em torno de R$ 80,00 suficiente para duas pessoas.

Lembrando que para pagamento com cartão (ou tarjetas como eles chamam) tem desconto. O Uruguai tem uma lei para turistas que devolve o IVA - que é equivalente ao nosso ICMS, esse cálculo é feito na fatura do cartão. O desconto recebido é maior do que o IOF cobrado nas transações internacionais, então vale a pena procurar saber os locais que oferecem o desconto para pagamento em cartão.

Quando viajamos o desconto era de 18,5% e vai até 30 de abril de 2018, quando será reduzido para 9% (mas mesmo assim vai continuar valendo a pena, pois continua maior do que o IOF).


As carnes são assadas sobre uma grelha e utilizam lenha, por isso o sabor é tão diferente do nosso que é feito com carvão.

Bom esse foi o resumo do passeio. Não coloquei muitos detalhes, para não estender demais. Se quiser saber alguma coisa, pode perguntar à vontade nos comentários. Para ver mais um poco desse dia de passeio, aperte o play. E não perca os próximos post's porque essa viagem teve muito passeio legal. Até mais!!!

Atualizações do Instagram

Topo