quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Férias no CHILE - Parte 1 - A viagem

FÉRIAS: palavrinha mágica, de 6 letras, que faz meu coração bater mais forte e acredito que não seja à toa que VIAGEM também tenha 6 letras, essas duas coisas juntas são a receita perfeita da felicidade.
A partir de hoje, começamos uma saga. Vou contar para vocês tudo que rolou em Santiago, no Chile, entre 12 e 18 de setembro. Fiquei pensando em como organizar tanta informação e resolvi fazer por partes, assim facilita para todo mundo.

Então vem comigo e fica ligado nas dicas. Depois que terminarmos, duvido que você não vai querer ir pro Chile também!

Bom, para começar, vamos falar de números (galera de humanas também vai entender, então não me abandonem). Dados básicos da viagem:

HOSPEDAGEM
(foto tirada do prédio onde fiquei hospedada)

Comparei muitos preços e concluí que alugar um apartamento fica mais barato do que hotel e explico porque: de maneira geral, comida é bem cara em Santiago e ficar em hotel te obriga a fazer todas as refeições na rua (vai por mim, essa é a parte mais cara da viagem). 

Se você estiver em apartamento tem a opção de fazer uma ou outra refeição em casa - e depois de bater canela o dia inteiro, provavelmente você vai querer isso em algum momento! Mas, se você é daqueles que não abre mão do conforto de ter alguém para estender sua cama e fazer seu café da manhã todos os dias, tem ótimas opções de hotel também, mas saiba que:
1 - Essa comodidade vai pesar no bolso quando você somar todas as refeições que fará nos restaurantes;
2 - Eu não encontrei nenhum self-service, portanto, vai viver de À La Carte;
3 - Quase TODOS os pratos À La Carte, acompanham batata frita, ou seja, haja estômago para tanto carboidrato!

Aluguei um apartamento pelo AirBNB e com ajuda de amigos, consegui uma excelente localização no bairro Providência. Recebi recomendações para não ficar no Centro (Centrão mesmo!) porque à noite é deserto e perigoso. O bairro Providência tem tudo que se precisa: bares, restaurantes, supermercados, farmácias e principalmente está na rota da melhor linha de metrô (que conecta vários pontos turísticos da cidade - nos próximos posts teremos mais detalhes sobre o metrô).

PASSEIOS
Além da comida, uma coisa que também não é muito barata são os passeios guiados. Portanto, vale a pena pesquisar antes e programar bem, para conhecer alguns lugares de forma independente.

Vários pontos turísticos são perfeitamente acessíveis pelo metrô e alguns ficam próximos entre si - vamos falar disso mais para a frente. Se você se situar antes e souber o que tem ao redor, pode programar seu dia e conhecer dois ou três lugares sem precisar pagar a ninguém, exceto a moça do guichê do metrô, hahahaha!

Por toda parte, você vai encontrar pessoas oferecendo passeios, os preços são praticamente iguais. Vale a pena chorar um desconto e se fizer mais passeios na mesma empresa, pode conseguir preços melhores.

PESSOAS
(foto tirada da Plaza de La Constituición durante a troca da Guarda)

Fiquei extremamente impressionada com a hospitalidade, a simpatia e a educação do povo chileno. Fomos bem recebidos em TODOS os lugares que estivemos e todos foram solícitos e atenciosos de um jeito surpreendentemente fofo. Recebemos muitos sorriso, informações valiosas e ajuda nas pequenas dificuldades, como saber a direção certa ao sair do metrô, saber os melhores horários para ir em casa tipo de lugar ou compreender como nós mesmos pesamos nossas frutas no supermercado.

Os chilenos tem muito carinho pelos brasileiros. Basta eles sentirem que você precisa de ajuda que já se prontificam a indicar um caminho ou fornecer informações. Entretanto, tome cuidado! Por mais que precise de ajuda, não demonstre estar TOTALMENTE perdido (cuidado nunca é demais). Justamente por isso, a primeira dica que dei aqui foi: pesquise antes, se situe de onde está e o que tem ao seu redor - assim você terá noção da região e poderá obter informações sem grandes dificuldades.

Antes da viagem eu li muito sobre Santiago (Pigmento F, Nós no Chile, Like Chile). Muito se fala sobre a atenção com os pertences e a frequência de batedores de carteira. Eu não tive problemas e não vi nada de errado lá. Por via das dúvidas, segurei a bolsa na frente do corpo e guardei o dinheiro na doleira (uma bolsinha que fica presa junto ao corpo, por dentro da blusa). Vi bastante policiais nas ruas e inclusive eles também são simpáticos e educados, pode pedir informações sem receio!


SOBRE A VIAGEM
Partindo de BH, peguei um vôo para SP e de lá são 4 horas até Santiago. Durante a viagem recebemos um lanche bem reforçado, então não precisa gastar seu rico dinheirinho no aeroporto - Como peguei o vôo de 10:30 hs recebemos almoço (e estava uma delícia). Também recebemos um kit com travesseiro e uma manta. Achei fofo, porque sempre pego vôos de menor duração que não têm essa comodidade.
Você também receberá um formulário dentro do avião para preencher antes da aterrissagem. Ali deve ter o endereço onde vai ficar, finalidade da viagem e se você leva algum produto de origem animal, vegetal ou remédio controlado. Levou, não declarou, perdeu!!!

Evite problemas, leve o mínimo na sua bagagem de mão. Se não for muito necessário, evite levar frutas, por exemplo (ouvi um caso de um senhor que foi barrado porque carregava uma maçã). Mesmo se você tiver declarado que porta algum produto de origem animal ou vegetal, ele será conferido no desembarque e isso pode atrasar sua viagem e consequentemente seu passeio e sua diversão.

Uma dica que para alguns vai parecer óbvia, mas já ouvi relatos de problemas com isso: Quando desembarcar e passar pela aduana, o agente da PDI (Policia de Investigaciones de Chile) vai te entregar um papel - NÃO PERCA!!! Ele é obrigatório para apresentar quando você for embarcar de volta para casa. Ninguém te fala sobre a importância desse documento no Aeroporto, mas se perder, vai ter sérios problemas.

DICAS GERAIS
- Ao programar sua viagem, lembre-se que o ideal é ter um RG com, no máximo 10 anos. Se seu documento é antigo, providencie outra via. Não é obrigatório ter passaporte, mas é bem mais prático e rápido com ele.

- No CHILE a Lei Seca é bem severa: somente locais autorizados podem vender bebida alcoólica (com permissão especial para isso) e NÃO OUSE SAIR PELA RUA BEBENDO porque você será preso e vai passar um aperto para resolver isso.

- Quando programar seu passeio para ver neve, se não domina a esquiagem, não invente de gastar uma fortuna em equipamentos de esqui. Ouvi casos de pessoas inexperientes que se aventuraram demais, bateram a cabeça e até perderam a memória - neve é como gelo, bater a cabeça ou qualquer parte do corpo é perigoso. No parque de Farellones, você terá opções divertidas sem precisar alugar nada.

- Muita gente tem receio de viajar para o exterior pelo medo de não conseguir se comunicar. Em alguns países é realmente necessário dominar outro idioma, mas o espanhol é relativamente fácil de entender e a vantagem é que eles gostam muito dos brasileiros, então se você não entender de primeira, pode pedir para repetirem devagar que você vai entender!

- Lá já tem Uber e Cabify, mas por enquanto é ilegal. Portanto, deve ser um risco calculado.

---

Nos próximos capítulos falaremos sobre os passeios e sobre as comidas. Fique ligado porque tem muita coisa boa vindo por aí! Já esteve no Chile, conta pra gente nos comentários. Quer saber alguma coisa específica? Pergunta nos comentários que respondo no próximo post. Até mais...

Atualizações do Instagram

Topo