sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Você conhece o LAGOM?

Acabei de voltar de férias; energias renovadas para enfrentar novos desafios, mas esta pausa foi diferente de todas as outras que fiz anteriormente - TODAS - e vou explicar pra você.

Eu não fiz nenhuma viagem internacional, não planejei nada especial, só sabia que precisava dar uma respirada e me afastar do dia-a-dia um pouco para não surtar.

Antes de detalhar sobre minhas reflexões, trago um conselho: 

"Se for viajar nas férias faça-o imediatamente! Não fique em casa por vários dias, olhando para as mesmas paredes, dormindo na mesma cama, vendo a mesma paisagem na janela, encontrando as mesmas pessoas. Tirar férias e ficar em casa faz com que seu cérebro demore mais tempo a se ajustar ao modo FÉRIAS. Por isso, se é pra viajar, mete o pé na estrada logo de cara, mude a rotina 100%, faça coisas diferentes e assim dê ao cérebro novas coisas para pensar e ao corpo novas coisas para fazer."

Fui para a praia - não com intuito de me plantar na areia o dia todo e torrar no sol comendo um monte de porcarias. Eu saí com o foco em fazer uma pausa, me afastar da rotina e da cidade onde moro, respirar ar puro e adquirir uma calma que me fugiu nos últimos meses.

Nestes dias, vivenciei outro ritmo de vida (tanto da cidade quanto o meu). Por estar na praia fora de temporada, passei a ver a cidade não pelo ritmo dos turistas mas, pelo dos moradores. Pessoas num cotidiano mais leve, num tempo próprio, cadenciado mais pela velocidade das bicicletas e dos pedestres do que dos carros e do trânsito.
Claro - não tenha dúvidas - que na alta temporada eles trabalham feito cão para aproveitar as oportunidades de negócio e renda que não duram o ano todo; mas, fora isso, há um tempo para respirar entre as temporadas. Fiquei observando esse ritmo tranquilo das pessoas e comecei a refletir sobre pequenas coisas do cotidiano.

Refleti sobre toda essa correria que vivemos, esse desejo de consumo desenfreado, a obrigação de se mostrar feliz, ávido e motivado o tempo todo, a necessidade de que sempre precisamos QUERER alguma coisa, ter objetivos, trabalhar duro, ser sociável, estar bonito, aprender mais... E nessa correria, esquecemos de curtir o leve, observar os detalhes: desaprendemos a necessidade de DESACELERAR.

O que quero dizer é bem ilustrado na música Admirável chip novo, da Pitty:
"Pense, fale, compre, beba
Leia, vote, não se esqueça
Use, seja, ouça, diga
Tenha, more, gaste e viva"


Voltei diferente, pensativa! Tive muitos insight's durante e após a viagem e agora acho que deveria ter anotado porque nem lembro de todos:
- Deveria usar chinelo mais vezes e isso ser normal. Porque somos tão julgados pelos sapatos?
- Comer fora é tão gostoso e  mais prático do que preparar comida em casa (se você calcular o TODO sendo eletrodomésticos, mantimentos, tempo gasto, despesas de compra e transporte, etc - e não somente os ingredientes). Será que fica realmente mais caro?
- Queria ter uma moto para poder viajar de forma mais fácil e prática - viajar sem ficar preso nesse engarrafamento horrível.
- Porque eu carrego tanta coisa na viagem? Tem gente que viaja só com uma mochila e curte o passeio do mesmo jeito...
- Como será que vou estar quando aposentar?
- Nossa, tenho muito mais roupas do que preciso.
- Porque a gente acumula tanta coisa que usa tão pouco ao longo do ano?

Passados alguns dias, muita leitura, descanso e reflexão eu voltei à velha rotina e atualizando meus emails, me deparei com um termo diferente disparado pelo blog Garota ao quadrado, sobre LAGOM. Comecei a ler sem muita expectativa - não pelo blog, que amo - mas porque estava voltando ao velho ritmo, portanto, ainda me adaptando à rotina. Acontece que logo de cara o post despertou meu interesse e, de repente, as coisas começaram a fazer mais sentido.
É um termo sueco sem tradução na língua portuguesa, mas seria algo como bastante, suficiente, necessário, equilibradamente...

Lagom é um estilo de vida que prioriza a sensatez, fazer as coisas da melhor forma possível, sem exageros ou recursos desnecessários. Se emprega em todas as situações e todas as áreas, desde comida, trabalho, moradia, bem estar, experiências e situações.

Nesse mundo conturbado, com acesso interminável a informações e consumo, Lagom é abrandamento e libertação, é uma aversão aos extremos, é o desenvolvimento da moderação, da sustentabilidade e da consciência social. Parte do princípio que a plenitude e a satisfação podem ser resultado do contentamento adequado, dando a devida importância a cada coisa na vida e não na busca constante por algo que você supõe que precisa adquirir; é a capacidade de saber dosar o egoísmo e o consumo excessivo.

Imagine o seguinte cenário: estamos conectados o tempo todo, com ritmo pesado de trabalho seja na rua ou em casa, constantemente disponíveis através do smartphone e consumindo informação como nunca, alguns buscam um corpo "perfeito" (seja por exercícios até a exaustão ou por dietas), corpo que, muitas vezes, é resultado de excessos anteriores, muitos buscam um carro mais novo, uma casa maior e melhor, um celular mais moderno, a nova coleção de moda, etc...

No meio de todo esse consumismo, surge o LAGOM - para nos alertar sobre limites e equilíbro, aprender a diferenciar o que QUEREMOS do que PRECISAMOS, repensar o que realmente importa, avaliar o que estamos consumindo por impulso e voltar nosso olhar para coisas mais importantes.

Linnea Dunne, autora do livro LAGOM - A arte sueca para uma vida equilibrada, recentemente traduzido em Portugal e (infelizmente) ainda sem data para chegar ao Brasil, conta que mudou-se para uma casa menor e doou muitas coisas que acumulava, inclusive boa parte dos brinquedos dos filhos. Como resultado, os filhos passaram a brincar mais tempo juntos, apreciar melhor os brinquedos que ficaram e ela não sentiu falta das coisas que doou.
O estilo de vida LAGOM varia de acordo com cada pessoa e sua cultura, idade, momento de vida e muitos outros aspectos, mas uma coisa é invariável: para se posicionar frente à tudo é preciso pensar nos motivos que te fazem ficar estressado ou infeliz; é preciso analisar o tempo e a energia que você deposita em cada acontecimento, objeto, situação ou ação da sua vida e, em seguida, analisar se essa energia e tempo estão sendo aplicados adequadamente e da melhor forma possível.

Fato é que quando você começa a analisar os aspectos da sua vida e consegue determinar onde pode melhorar e se "livrar" do peso e da bagagem extra que carrega, tudo se torna mais leve e simples - como consequência dessa redução de sobrecarga você reduz o stress.

O legal é trabalhar nesse conceito aos poucos e entender cada situação do cotidiano. Adotar o LAGOM não é uma mudança de vida radical, o objetivo é facilitar e não complicar. À medida que se torna mais normal fazer a análise e você começa a ver os resultados, percebe as pequenas mudanças que podem beneficiar sua qualidade de vida.

Ao adotar um estilo de vida LAGOM, é possível:


- Reduzir o seu impacto ambiental;
- Melhorar o equilíbrio entre trabalho e vida privada;
- Libertar a sua casa de coisas inúteis;
- Tornar-se um consumidor mais consciente;
- Valorizar as relações com aqueles que ama;
- Apreciar boa comida ao estilo sueco;
- Produzir os seus próprios alimentos;
- Desfrutar de exercício físico saudável na natureza;
- Viver uma vida equilibrada e feliz.

Resumindo, esse "modelo" é um meio de viver em harmonia com as coisas ao seu redor, sem exageros e excessos, mas a chave é encontrar o equilíbrio pessoal nesse contexto. Não existe medida certa, não há manual de instruções, as referências variam de acordo com o meio, as condições e a situação na qual cada um vive. O que é bom para mim, pode não ser necessariamente bom para outra pessoa. O LAGOM não será padronizado e igual entre todos...

Eu acredito que LAGOM é sobre entender e valorizar o SENTIR e o SER, ao invés do TER e ACUMULAR. Então, o que acha de olhar ao redor e começar a repensar pequenas coisas do seu cotidiano, talvez você se surpreenda com o que pode começar a enxergar e passe a gostar desse novo estilo de vida.

Se você gostou do assunto e quer saber mais, já saiu a segunda parte desse tema AQUI. O LAGOM nos aspectos da vida!

Atualizações do Instagram

Topo